Novas políticas para a arquitectura e design

No passado dia 6 de Abril, a Dezeen publicou um artigo sobre as novas políticas para a arquitectura e design, que a Suécia quer implementar.

A Suécia, conhecida pela sua forte relação com o design e a arquitectura, avança com novas políticas para promover uma sociedade mais sustentável e menos segregada.

A habitação nas grandes cidades é escassa o que faz disparar os preços e torna quase impossível a aquisição ou arrendamento de espaços nos grandes centros. Como refere Jonas Pettersson, co-fundador do atelier Form Us With Love, «Há necessidade de construir mais mais habitações, mas também de qualidade que as pessoas possam pagar». Estocolmo é um exemplo disso, para arrendar uma casa é necessário estar inscrito numa lista de espera.

Segundo Martin Videgård, Tham & Videgård Arkitekter, esta nova política «sublinha a importância da arquitectura, o que […] é algo que nunca se pode dizer demasiadas vezes.»

Pode ler o artigo “Swedish government introduces new benchmarks for architecture and design” aqui.

 

[ imagem pertence à Dezeen]

Voltar para o site

 

A Casa do Justiçado no P3 [Jornal Público].

Em Setembro fomos convidados pela Casas XS, uma curadoria do blogue Alexandra Matos Design, para falar sobre um projecto em Aveiro.

A Casa do Justiçado, é uma habitação com apenas 55m, com um pátio interior e um layout simples e contemporâneo.  Tratando-se de uma habitação muito compartimentada e escura,  o principal desafio foi criar um espaço com muita luz. Para tal, optámos por utilizar painéis translúcidos, que permitem a entrada de luz na quase totalidade dos compartimentos. Excepção feita ao quarto de dormir, que se insere num pequeno poliedro azul, junto à entrada, onde agregamos as zonas privativas da casa e a partir da qual se desenvolve a cozinha.

O desenho desta forma, que incorpora o quarto, a instalação sanitária e a cozinha, permitiu-nos também diminuir as áreas mortas e tornar o espaço mais amplo. Acrescido e este facto, a escolha da cor deste corpo, em contraste com as paredes periféricas e o tecto brancos,  permitiram uma sensação de unidade, interrompida por um volume que se comporta como uma pequena bolsa, que fazendo parte da casa não compromete a continuidade espacial. 

Pode ler o artigo aqui  e se quiser conhecer esta casa, pode fazê-lo aqui!